quinta-feira, 30 de março de 2017

Arcanos Menores do Tarot: 8 de Ouros


O 8 de Ouros, entre outras possibilidades de interpretação, pode, também, ser compreendido como o tempo e esforço dedicados no aprendizado de qualquer assunto ou profissão, treino; produtividade, produção e linha de produção; fabricação em série; especialidade, especialista; isolamento e dedicação ao trabalho, ao treino, à uma atividade; prêmios, diplomas, medalhas conquistadas; dedicação e exclusividade a uma atividade; ser previdente, acumular para o futuro (a fábula da Formiga e da Cigarra é um bom exemplo); colecionar, etc, etc.

segunda-feira, 20 de março de 2017

"Kippers - Vintage Photo's": unboxing e comentários


O oráculo (método ou sistema, como queiram) Kipper é a "pedra da vez", o novo "queridinho", o "assunto do momento" entre os cartomantes, especialmente nos Estados Unidos da América. Esse oráculo que teve a sua primeira edição publicada aproximadamente na mesma época do Lenormand, parece-me que só começa a ganhar visibilidade e a consequente popularidade na atualidade a partir da publicação de um "clone" reinterpretado pelo famoso criador de cartas oraculares, o ítalo-americano Ciro Marchetti, no final de 2015.
A partir do início de 2016 o mercado começou com uma verdadeira avalanche de decks de cartas do sistema Kipper, algumas mais´, outras menos, fiéis a ele (ao deck original). Isso é natural quando existe procura, quando mais pessoas se interessam em aprender e conhecer. Vi isso, poucas décadas atrás, com o Lenormand, que começou a se popularizar nos USA e acabou gerando uma infinidade de novos decks para atender a todos os tipos de gosto, todos os tipos de estética entre os cartomantes e os colecionadores de cartas.
Agora, pelo que vejo, é a vez do Kipper: muita gente criando seus próprios baralhos e vendendo autonomamente através da internet. Esse é também o caso da artista e cartomante australiana Raylene, da RKDuffyArt (uma loja virtual no site da Etsy.com) que criou esse Kipper com fotos em preto e branco numa, imagino, homenagem a artistas do cinema, especialmente dos anos50, 60 e 70.
A qualidade do papel e impressão são boas, o tamanho das cartas é o tradicional "poker", acompanha o conjunto um link para "baixar" uma apostila (muito boa) sobre os significados das cartas e as mesmas vieram dentro de uma pequena bolsa de tecido transparente.
O que me agrada nesse deck é o fato de que grande parte das cartas acompanham a mesma direção (olhar, posição do corpo, sentido da rua, etc) do baralho original alemão e isso é fundamental para uma leitura própria e assertiva desse método. Muita gente acredita que a maneira de leitura e interpretação do Kipper e do Lenormand são semelhantes, pois ambos tem as mesmas 36 cartas, o mesmo tamanho e a mesma procedência europeia, mas é aí que terminam as semelhanças, Kipper não é para ser lido de uma maneira combinatória, mas sequencialmente e sempre seguindo o sentido de direção indicado pelas figuras nas cartas. Portanto, a posição da cabeça, a direção do olhar, se a estrada vai da esquerda para a direita, se a figura feminina segura a carta no lado direito ou esquerdo da lâmina, etc, tudo isso é parte integrante do método de leitura Kipper.
O que não me agrada, nesse deck, é que a maioria das cartas estão limitadas a rostos (fotos promocionais feitas pelos estúdios onde esses atores trabalhavam), com o olhar ou a posição do rosto, quase sempre, voltadas para a frente, encarando o espectador, não deixando claro qual a carta (da esquerda, da direita, superior ou inferior) para a qual ele "indica" ou "aponta".
Também considero um possível fator de distração a associação de figuras conhecidas (ainda conhecidas por muitos e, naturalmente, pelos cinéfilos-cartomantes) que, mesmo sem querer, podem acabar alterando o significado das cartas por motivo de maior ou menor simpatia pelo ator ou atriz, ou por associá-lo, inclusive inconscientemente, a um personagem mais marcante. Acredito que, sempre que possível, as cartas de um oráculo deveriam manter uma certa neutralidade, não correndo o risco de privilegiarem umas em relação à outras.
Acredito, sim, que dentro de algum tempo, passada a euforia e a demanda de um mercado ainda curioso, quando apenas os mais dotados de talentos artísticos e do necessário conhecimento da origem, evolução histórica, da técnica de leitura e das possibilidades intepretativas das cartas Kipper continuarem criando os decks desse sistema, teremos baralhos mais completos em termos qualitativos de imagem.
De qualquer maneira, apesar de não ser um deck que eu indicaria a uma pessoa que esteja se iniciando nesse sistema, eu acredito que possa ser perfeitamente usado pelo cartomante mais experiente,

Deck: "KIPPER - VINTAGE PHOTO'S"
Autora: Rylene K. Duffy
Adquirido na loja virtual RKDuffyArt, no site da Etsy.com

quinta-feira, 9 de março de 2017

"PARIS PRIMITIVE LENORMAND" (c.1890): unboxing e comentário



Basicamente, o conteúdo do site www.gameofhopelenormand.com é formado por réplicas de originais adquiridos por Lauren Forestell, sua proprietária, em leilões e de coleções particulares.
O que a empresa virtual dessa senhora faz é recuperar, digitalmente, os decks antigos, fora de circulação e de catálogo dar-lhes vida nova através de um bastante minucioso trabalho gráfico.
Como neste "Paris Primitive" (impresso em 1890 por Didot), os decks desse site não trazem a figura de naipe como um "insert" nas cartas, o que pode ajudar bastante a entender como, na Europa, os cartomantes que usavam o Lenormand adotavam ou não, a leitura secundária ou complementar fornecida pelos naipes.
Como qualidade de papel e de impressão, o deck é muito bom, praticamente nada deixando a dever às grandes casas editoras como a A.G.Müller, Lo Scarabeo ou U.S.Games.
As imagens são réplicas fotográficas, digitalmente corrigidas e/ou recuperadas (quando necessário) de cartas originais, nem sempre em seu melhor estado de conservação ou, mesmo, de impressão.
Portanto há de se esperar manchas, cores saturadas, contrastes acentuados e uma estética que muitos de nós pode não apreciar. Mas, para o colecionador e, mesmo, para um designer, tudo isso adquire uma importância muito grande pois é através desse olhar para o passado "real" (não aquele "maquiado" por novas tecnologias de impressão e criados recentemente para atender a um gosto particular e passarem-se por "antigos") que podemos encontrar novas referências e perceber detalhes muitas vezes faltantes ou obscuros em decks mais atuais.
A maioria dos decks vendidos no site mencionado têm inscrições em alemão, o que pode ser um empecilho para quem, como eu, não lê ou escreve nesse idioma, superável, porém, com muita paciência e o uso de dicionário.
As cartas vêm embaladas em uma pequena bolsa de veludo e não acompanha nenhum tipo de informação extra. Apenas as cartas 28 e 29 têm seus "duplos" e uma carta "de topo" foi acrescida reproduzindo o frontispício da embalagem original.
Deck: PARIS PRIMITIVE  / DIDOT (1890)
Impresso: Didot, em 1890
Site: www.gameofhopelenormand.com

quarta-feira, 1 de março de 2017

4 de Ouros: entre o amor pelo dinheiro e o amor a Deus


Os que acompanham minhas postagens neste blog ou nos vídeos que faço sabem que evito misturar Cartomancia e Religião. Não vejo nada de errado em quem o faça, entretanto optei, há muitas décadas, em usar o Tarot e outros sistemas oraculares, desvinculados de preferências religiosas e/ou experiências místicas. Decisão pessoal que mantenho.
Entretanto, como um "estudante constante" da Cartomancia, muito me apraz quando um artigo, um livro, um filme, um espetáculo teatral, uma pintura, escultura, etc, me remete de imediato a um Arcano ou imagem cartomântica qualquer.
Ao ler o texto abaixo, de imediato me veio à memória o naipe de Ouros do Tarot e, em especial, o 4 de Ouros. Ainda que todos saibamos que todas as cartas representam aspectos positivos e negativos, o 4 de Ouros é a carta dos Arcanos Menores do Tarot que provavelmente melhor represente o nosso apego.
O apego (também compreendido como: avareza, fissura, miséria, pão-durismo, mesquinhez, fidelidade, insistência, agarramento, fixação) ao dinheiro, aos bens e demais aspectos materiais da existência (que vão desde o nosso aparelho telefônico, passando pelos imóveis que possuímos até os nossos cuidados com a beleza física) de maneira geral, pode ser fruto de uma série de fatores mas, sem dúvida, representa um desequilíbrio que necessita ser moderado, comedido, harmonizado.
Numa sociedade capitalista, onde as reais virtudes nem sempre são reconhecidas e recompensadas e nem os valores  são atribuídos de maneira lúcida, equilibrada, igualitária, a importância dada ao "ter" ultrapassa, frequentemente, os princípios, os padrões, a relevância e a significação do que "somos".
No texto abaixo, escrito por Mauro Lopes, transcrito inteiramente do seu blog "Caminho pra Casa", o autor comenta as observações que filosofia e a psicanálise fazem a respeito desse culto ao aspecto mais material da existência e o quanto o "vazio existencial" abre brechas para que busquemos nos mais variados objetos de consumo a nossa necessidade de nos "preencher" e "reter" para que possamos nos ver inteiros... hipnotizados pelo reflexo de falsa abundância da nossa própria carência.


"Como Giorgio Agamben e Walter Benjamin releram as observações cristãs sobre o dinheiro. Por que a psicanálise o associa à matéria fecal, à “insuficiência de mim” e à guerra de todos contra todos"

Por Mauro Lopes, editor do blog Caminho pra Casa |

O filósofo italiano Giorgio Agamben, um dos relevantes protagonistas do pensamento crítico na virada do século XX para o XXI disse numa entrevista em 2012 que “Deus não morreu, ele se tornou Dinheiro” (aqui). A afirmação de Agamben inspirou-se em outro filósofo, este um protagonista da primeira metade do século XX, um pensador fora da curva, Walter Benjamin. Em seu curto e denso “O Capitalismo como Religião”, de 1921 (aqui), Benjamin escreveu que o capitalismo é em si mesmo a religião mais implacável que já existiu, e promove um culto ininterrupto ao Dinheiro, “sem trégua nem piedade”, uma religião que não visa a reforma da pessoa, “mas seu o seu esfacelamento”.[1]
O filósofo alemão sugeriu uma comparação entre as imagens dos santos das religiões e as cédulas de dinheiro de diversos países –ele não imaginava, à época, que este Deus-dinheiro estaria diretamente louvado nas cédulas nos EUA (In God we Trust, em Deus Confiamos) e, desde 1980, no Brasil, onde lê-se em todas as notas a frase de adoração à moeda corrente: Deus seja louvado.
Ambos foram influenciados por um dito de Jesus, que está no centro da liturgia católica do 8º Domingo do Tempo Comum (26), às portas do período quaresmal que antecede a Semana Santa e a Páscoa: “Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro.” O texto proclamado é do Evangelho de Mateus (Mt 6,24-34). A oposição entre Deus e o dinheiro é um tema central ao longo da história e, para Jesus, a relação de cada qual com o dinheiro é definidora de sua relação com as outras pessoas e a vida.

Como essa questão aparece na vida das pessoas? A psicanálise procurou investigar a relação entre o ser humano e o dinheiro e chegou a conclusões que podem soar surpreendentes e inacreditáveis num primeiro momento. Como apontou o sacerdote jesuíta e teólogo espanhol Carlos Domingues Morano, dinheiro é um assunto crucial, apesar de muitas vezes escamoteado -como o sexo. Na verdade, o tema nunca é “só dinheiro”. As relações entre os homens/mulheres com o dinheiro comportam dimensões nem sempre lógicas, que extrapolam o discurso racional mais ou menos organizado –é sempre “algo mais” que dinheiro.[2] Na relação das pessoas com o dinheiro, revelou-nos a psicanálise, “está também implicada uma ‘questão de amor’; dito em termos mais freudianos, uma questão de ordem libidinal, inconsciente e com raízes na infância. Isso nos permite compreender, entre outras coisas, porque, assim como ocorre com a sexualidade, o dinheiro provoca tantas reações de dissimulação, falso pudor e hipocrisia.”[3]

Há uma questão oculta que Freud trouxe à tona –e causou enorme mal-estar: a intimidade entre nossa relação o dinheiro e a fase da libido anal, relacionando-o com os excrementos.
O valor nodal do dinheiro para os adultos é, descobriu Freud, análogo ao altíssimo valor que os excrementos possuem para as crianças. Outro psicanalista, Sandor Ferenczi, do grupo de Freud, demonstrou o caminho passo a passo pelo qual a criança efetua a sublimação do conteúdo anal até chegar, finalmente, à transmutação simbólica em dinheiro. “A matéria fecal vai passando por uma série de substituições, nas quais vai progressivamente distorcendo a  primitiva satisfação auto erótica relacionada com a defecação: o barro, a areia, a pedra, o jogo com bolinhas de gude e botões todos objetos que proporcionam tanta satisfação à criança que facilitam a substituição do fétido, duro, mole pelo inodoro, seco duro.”[4] O dinheiro ingressa nessa cadeia de sublimações por um caminho complexo até desvincular-se de toda a aparência com sua “fonte original” e permitir o surgimento da máxima de que o dinheiro não fede (pecunia non olet).
A relação entre as fezes e o dinheiro pode parecer um absurdo num primeiro momento. Mas, se observamos com mente aberta, veremos que são abundantes e recorrentes as imagens e símbolos que desnudaram ao longo da história relação que os homens estabelecem entre as fezes e o ouro ou o dinheiro. Uma delas é a figura do “cagador de ducados” que está representada nos portais de bancos alemães. São inúmeras as expressões populares que  consagram esta associação sem que nos demos conta disso. Quando uma pessoa tem muito dinheiro dizemos que está “podre de rica”; se o dinheiro tem origem suspeita, falamos em “dinheiro sujo” e, ao contrário, se a pessoa está sem dinheiro, dizemos que está “limpa”; ou que está “apertada”.



Esta relação foi capturada mais de mil anos antes de Freud numa intuição genial do bispo Basílio de Cesareia, em meados do século IV. São Basílio decretou: o dinheiro é o cocô do diabo. A expressão foi deixada de lado pelos cristãos séculos a fio até que São Francisco, no século XII, mencionou Basílio; agora, ela foi novamente posta á luz pelo Papa Francisco em fevereiro de 2015, apesar de ele preferir a palavra “esterco”, talvez menos crua. Clique e veja o vídeo em que o Papa menciona a expressão de Basílio (Francisco trata do assunto entre 1min50 e 2min30).
Como se dá esta articulação dinheiro-fezes? A psicanálise explorou as relações entre as dinâmicas de possessão, características da fase anal, e de propriedade, fundante da civilização ocidental e especialmente do capitalismo.
Quando uma criança perde suas fezes sente a dor de ter deixado escapar algo que lhe era tão essencial que estava dentro  de si, era parte de seu corpo, mas que não mais consegue por de volta; isto é a possessão. A propriedade refere-se a objetos externos, mas que deveriam me pertencer, “coisas que de fato estão fora, mas simbolicamente estão dentro”. São objetos revestidos de “qualidade do eu”. Para muitas pessoas, talvez a imensa maioria no capitalismo, o dinheiro reveste-se desta qualidade do eu. Isso origina processos intensos de defesa e projeção. Perder  dinheiro para essas pessoas é muito mais que perda de algo externo, exterior, “mas sim de algo que foi previamente in-corporado”, ou seja, algo que se tornou parte de mim. A posse e controle do dinheiro têm o mesmo papel que o controle da atividade defecatória para a  criança diante do mundo exterior. Uma “relação regressiva com o dinheiro ou com a propriedade de objetos” fica impregnada pela dimensão possessiva (retentiva) da fase anal.[5]

O resultado é avassalador: o amor ao dinheiro, quando extravasa suas funções de adaptação à realidade, acaba expressando uma dimensão infantil da afetividade, o que implica uma dominância do narcisismo, um desenvolvimento truncado da afetividade (da relação com o outro, da capacidade de amar e/ou odiar) e do autorrespeito e respeito pelo outro.[6] Esta infantilização narcísica dos ricos ou, dos “novos ricos”, numa expressão recorrentes de Basílio, é facilmente verificável na convivência com eles e espalha-se em ondas pela indústria do entretenimento, especialmente o cinema feito para o grande público.



Imagem: Coleção de Cartas de Tarot 4 de Ouros

Ter e reter dinheiro são tentativas continuadas de encobrir as carências internas e conquistar segurança. Lembro-me de uma conversa com um consultor de  investimentos sobre um casal, cliente do banco em que ele trabalhava. Eles haviam feito uma série de contas em planilhas (como se a vida pudesse ser contida em planilhas Excel) e concluído que quando tivessem R$ 20 milhões em aplicações financeiras (excluídos bens como casa e carros) poderiam finalmente “desestressar” e olhar com tranquilidade para a vida. Esta posição remetia-os a frequentes crises de insegurança e angústia extrema, pois como escreveu Erich Fromm, “se sou o que tenho e o que tenho se perde, então quem sou?”[7]
Ou, expressando Fromm de maneira complementar: se sou o que tenho e nunca tenho o que considero suficiente, sempre haverá uma “insuficiência de mim” que precisa ser coberta e recoberta com necessidade de acúmulo cada vez maior enquanto o fosso da insegurança aprofunda-se, na medida em que a possibilidade apavorante da perda de dinheiro para outro é um fantasma permanente. É uma vida em estado de guerra permanente para defender o que é “meu” contra aquele que deseja apropriar-se, podendo ser desde um competidor, políticas públicas de um governo que deixam de favorecer o crescimento de minha fortuna, os pobres que se mobilizam para tomar dinheiro do governo que a mim pertence “de direito”. Pois o capitalismo garante: tenho direito a possuir tudo e tudo reter para mim, sem limites.
Sim, o capitalismo é, numa linguagem popular, o encontro da fome com a vontade de comer. Nele, esta condição pulsional presente na vida de cada ser humano é organizada como um sistema social que alcançou, na expressão de Benjamin, a dimensão suprema de um culto organizado e sistemático.  O psicanalista austríaco Otto Fenichel demonstrou como, antes de tudo, a função real do dinheiro numa sociedade determina o alcance e a intensidade das tendências pulsionais de retenção.  Tais processos acontecem em sociedades determinadas com estruturas econômicas, sociais e culturais determinadas, com uma Igreja determinada e, portanto, alcançam dimensões que, levando em conta as escolhas e histórias individuais, situam-nas num contexto geográfico-temporal preciso.
Portanto, a “mobilização para a guerra” que garanta a cada indivíduo o seu “direito supremo à retenção” é o mantra do capitalismo e “mobiliza a hostilidade como tendência a despojar o outro, de modo a fazer com que o desejo de fraudar, explorar e frustrar os outros acabe se convertendo numa autêntica norma cultural.”[8] Essa hostilidade torna-se a base relacional que se reproduz em todas as relações, mesmo as mais íntimas: assim, por exemplo, o encontro com o outro ou a outra para a vida amorosa e o casamento converte-se numa série de cálculos e contratos e precauções para a possibilidade futura de separação e rompimento.
A dissonância absoluta entre o amor pelo dinheiro e o amor a Deus proclamada por Jesus e como ela atinge dimensões dramáticas no interior de um sistema que no qual o dinheiro ocupa o lugar de Deus. Trata-se de uma incompatibilidade radical, apesar de todos os esforços dos rigoristas e integristas católicos, dos neopentecostais e outros cristãos para amenizar as palavras de Jesus e relativizá-las: “Não é possível amar a Deus, isto é, amar a generosidade, a entrega, a solidariedade, a compaixão e a misericórdia e ao mesmo tempo amar o dinheiro, isto é, amar o tomar tudo para si, a acumulação que é a base de toda a injustiça e de todo o desamor: fome, guerra, exploração, morte etc.”[9]
É o que tem feito seguidamente o Papa Francisco. Uma das marcas de seu pontificado é a denúncia da submissão ao Deus-dinheiro.  A primeira vez em que explicitou sua postura foi dois meses depois de sua posse. Em maio de 2013, ele afirmou, num discurso que indicou a revolução nascente no Vaticano, que no capitalismo “criamos novos ídolos; a adoração do antigo bezerro de ouro encontrou uma nova e impiedosa imagem no fetichismo do dinheiro e na ditadura da economia sem rosto nem propósito verdadeiramente humanos” e que a base deste culto ao Deus-dinheiro está “na relação que temos com o dinheiro, em aceitar o seu domínio sobre nós e sobre as nossas sociedades”. Três anos depois, numa entrevista, em agosto de 2016, o Papa acentuou: “No centro da economia mundial está o deus Dinheiro, e não a pessoa, o homem e a mulher”. Na mensagem para a Quaresma de 2017, período que se abre com a Quarta-feira de Cinzas Francisco foi taxativo: “A ganância do dinheiro é a raiz de todos os males”.
Se para os cristãos, o amor não é apenas um preceito, mas é o conteúdo sobre o qual o cristianismo está edificado, se é a “pedra angular”, o apego ao dinheiro, fonte de desamor, não se restringe a um problema ético, mas é um ataque direto à fé. A fidelidade a Deus fica interditada para aquele que não realiza a escolha por Ele e, por caminhos explícitos ou cheios de sombras e ilusões e autoengano, opta pela  adoração à coisa: o dinheiro.
Por isso as religiões estão profundamente abaladas em seu fundamento na contemporaneidade e, muitas delas, ou tendências poderosas em seu interior, como no caso da Igreja Católica, realizam explicita ou implicitamente operações de substituição de um culto pelo outro, colocando o dinheiro no lugar de Deus. Tornam-se promotoras da tendência pulsional identificada por Jesus e estudada à profundidade pela psicanálise e igrejas-sucursais da “religião oficial”: o capitalismo.
__________________________
[1] Benjamin, Walter. O capitalismo como religião. São Paulo, Boitempo Editorial, 2013, p. 22
[2] Morano, Carlos Dominguez. Crer depois de Freud. 3ª edição, São Paulo, Edições Loyola, 2003, p.233
[3] Ibid. Morano, 2003, p. 234
[4] Ibid. Morano, 2003, p. 236
[5] Ibid. Morano, 2003, p. 239
[6] Ibid. Morano, 2003, p. 240
[7] In Morano, 2003, op cit., p. 240
[8] Ibid. Morano, 2003, p. 243
[9] Ibid. Morano, 2003, p. 246

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

"Baralho Cigano Sorte Lenormand": unboxing e comentário


José Fernando Martins não é apenas mais um YouTuber devotado a divulgar seu trabalho e seus conhecimentos sobre os oráculos mas um eficientíssimo divulgador da Cartomancia e, em especial, do baralho chamado Petit Lenormand.
Seu canal de vídeos reúne um grande número de cartomantes, das mais diversas regiões e estilos, que comentam sobre suas técnicas e suas experiências com a leitura das cartas oraculares.
Mas José Fernando é, também, um excelente ilustrador e criador de decks de cartas Lenormand. Trabalhando por encomenda de cartomantes, suas criações primam pela coerência em estilo, forma, escolha de cores e inspiração temática. Além de ser um produto de muito boa qualidade gráfica, é a capacidade criativa do seu autor que destaca este deck entre tantos outros em oferta no mercado nacional.
Pessoalmente gosto muito das 26 cartas extras (além, naturalmente, das 36 cartas originais) pois é uma maneira muito prática de "renovarmos" nossa maneira de ler imagens. Ainda que as cartas tenham sempre um significado próprio, definido em 2 ou 3 palavras-chave, quando temos a possibilidade de ver uma imagem que nos faça prestar atenção e olhá-la como fosse desconhecida, estamos estimulando nossos sentidos e nossa intuição para expandir nossa forma de significar ou re-significar a figura. Nos obriga a ampliar nosso vocabulário e, com isso, nos expressar de forma mais rica, mais intensa, mais precisa.
A caixa com as cartas não traz um livreto com explicações e significados, mas esse material pode ser baixado da internet num site providenciado pelo autor.
Uma breve história do Baralho Lenormand, ou Baralho Cigano é providenciada numa das laterais da própria embalagem.
Recebi esse deck como presente do autor, a quem muito agradeço, mas me sinto isento de qualquer compromisso para poder recomendar o mesmo para todos aqueles que desejam possuir um deck de Lenormand que seja a um só tempo bonito, interessante, estimulante, fiel ao sistema, auto-renovável, adaptável às diferenças regionais de interpretação de algumas cartas, e, além de tudo, de bom material, o que permite vida longa às cartas e facilidade de manuseio das mesmas.
Recomendo quem estiver interessado em conhecer ou aprender a fazer tiragens com cartas Lenormand, o canal de vídeos do José Fernando no YouTube: /sortelenormand.