domingo, 21 de fevereiro de 2010

Carta do Dia: RAINHA DE ESPADAS

   rainha de espadas   A semana começa com o predomínio do elemento Ar, que representa nossas atividades intelectuais, mentais, de raciocínio lógico e temperamento Colérico, ou seja, gente de “pavio curto”. As pessoas dos signos ligados ao elemento ar (Aquário, Gêmeos e Libra) são conhecidas pela firmeza de sua vontade e capacidade de decisão. Tem gente que chama a isso de “personalidade forte”. Na verdade, são pessoas bastante decididas, francas, auto-suficientes, orgulhosas, corajosas, sempre prontas a ajudarem a resolver os problemas. São muito observadores e frequentemente intrometem-se na vida alheia, o que pode causar-lhes  reações desagradáveis, ainda que estejam movidos das melhores intenções.

     Sarcásticos, conhecidos pela sua rapidez de raciocínio e pelo humor ferino, podem provocar situações de extremo desconforto com suas críticas e comentários jocosos. Nem todo mundo está preparado para a maneira crua e direta que usam em seus discursos. Entretanto, são verdadeiros paladinos da justiça, combatendo sempre a opressão e a miséria que é infligida em seus semelhantes. São frequentemente requisitados como grandes conselheiros, especialmente em questões legais, de organização, de estabelecimento de ordem, de disciplina.

      Estava pensando em como descrever esse arcano quando me ocorreu que poderia ser interessante associá-lo a duas figuras muito importantes dentro do sincretismo religioso que vivenciamos: Iansã e Santa Bárbara. Ambas, grande guerreiras, implacáveis defensoras de seus pontos de vista, não aceitam submissão ou qualquer forma de prisão. Uma,  deusa nos altares dos cultos  afro-brasileiros. A outra, santa nos altares católicos.

    iansã Iansã, também chamada de Oyá, foi uma princesa real na Nigéria, mais especificamente em Irá ha aproximadamente 3.500 anos. Foi mulher de seu primo, Xangô, ao lado de quem lutou pela conquista de vários reinos que formaram o império Yorubá. Mais tarde, abandonou-o para defender sua cidade natal, disposta, até mesmo, a enfrentá-lo. Grande conhecedora das fórmulas e práticas mágicas,valente, corajosa e dedicada, conquistou o seu direito ao trono de Oyó.

     De Olorum recebeu a missão de atuar sobre todos os aspectos da natureza através do ventos, que ela manipula conforme a sua necessidade de atuação. Às vezes, em forma de tormentas, provocando uma reciclagem, através de mudanças e destruição. Noutras, espalhando o pólen das flores e as sementes das árvores, com uma cálida brisa, permitindo a sua germinação. É ela também que afasta as nuvens, permitindo que Xangô lance seus raios que rompem os reservatórios de água dos céus, fazendo chover.

   santa_barbara   Santa Bárbara, a sua versão cristã, foi uma jovem mártir dos primeiros séculos do cristianismo. Morava em Nicomédia, cidade situada na atual Turquia, cujo pai mantinha-a enclausurada numa torre mandada construir para que ela não se desvirtua-se com os hábitos amorais da sociedade da época. Ainda que lhe apresenta-se pretendentes, Bárbara os recusava, o que seu pai interpretou como uma forma de rebeldia por viver tanto tempo isolada. Permitiu-lhe então, que fizesse pequenas incursões à cidade, e foi lá que ela se inteirou da nova fé e chegou a ser batizada.

     Tendo sua conversão ao cristianismo sido descoberta, seu pai a entregou às autoridades que a torturaram de todas as formas, amputando-lhe os seios, inclusive. Bárbara nunca renegou sua fé para salvar-se.  Ao final de seu martírio, seu próprio pai degolou-a. Enquanto sua cabeça tombava, ouviu-se um trovão e um raio vindo dos céus fulminou seu pai e seus torturadores. Nesse momento, ela ascendeu aos céus, com sua cabeça novamente junto ao corpo e a espada de seu sacrifício nas mãos. Santa Bárbara é invocada como a protetora contra raios e trovoadas e padroeira dos mineiros, artilheiros, caçadores, arquitetos, bombeiros e dos que trabalham com explosivos e fogos de artifício.

     Essas duas figuras femininas, detentoras de uma força e coragem tipicamente masculinas, são grandes representantes da Rainha de Espadas, e podem ser vistas, também, como símbolos de otimismo, autodomínio, convicção numa crença, filosofia ou ideal, e uma grande habilidade de avançar em direção de seus objetivos e de fazer justiça.

     Neste domingo, dia regido pelo Sol, as suas qualidade de visão clara, desanuviadas de interferências enganosas, se fazem mais evidentes, e o fato de estarmos dentro de um ciclo lunar Crescente, e portanto, expansivo, permite que o raio de atuação de suas energias se amplie. A frieza, o distanciamento, a sua maneira muitas vezes impetuosa e explosiva de relacionar-se estão amenizadas, sem dúvidas, pelo fato de estarmos passando pelo signo de Peixes, mais emotivo, mais impressionável, mais aquoso, místico e compassivo. Esta Rainha dos Ventos, dos Relâmpagos e das Trovoadas, está vivenciando uma fase mais calorosa, mais maternal, pois afinal devemos considerar que estamos num ano cujo regente é o planeta Vênus, onde o belo, o estético, a sociabilidade, a elegância, os bons modos, o amor, a sedução se fazem sentir.

     A Rainha de Copas está hoje menos colérica, mais humilde, paciente e mansa. Dominando o seu próprio controle, se faz sentir menos explosiva, menos arrogante, menos opinativa, teimosa ou obstinada. E até mesmo o seu lado espiritual está num momento mais aflorado, afinal estamos na casa de Peixes, cujo proprietário é Netuno, um visionário, um inspirado, um sonhador. Muito mais equilibrada entre o seu brilhante raciocínio e os aspectos materiais, emocionais e espirituais, essa carta nos inspira a utilizarmos o nosso saber, o nosso intelecto, para nos desenvolvermos dentro de um contexto harmonioso, defendendo com diplomacia os nossos interesses, sabendo ouvir as opiniões alheias, estabelecendo normas e regras mais humanas que permitam que a justiça seja accessível a todos, em igualdade, sabendo-nos todos merecedores de sua maternal e real proteção.

    joanadarc Há uma outra figura histórica, bastante conhecida, na qual podemos ver espelhada esse Arcano. É a “Donzela de Orléans, uma visionária e mística francesa que, vestida em sua armadura, lutou pela liberdade de seu país contra os ingleses, nas mãos dos quais foi, finalmente, queimada como herege. Santa Joana D’Arc, é o exemplo da mulher que assume um papel considerado masculino em sua época, defende brava e corajosamente um ideal, tem um componente espiritual altamente desenvolvido e sucumbe vítima da intransigência, da arrogância das instituições, da incompreensão de seus contemporâneos, sem nunca perder a sua fé.

     Reproduzo abaixo o texto de uma de suas ameaçadoras cartas pedindo a rendição dos ingleses. Essa é a maneira de se expressar dessa Rainha: clara, objetiva, dominadora e destemida. Uma arquetípica Rainha de Espadas.

A Vós, ingleses, que não tendes nenhum direito sobre este Reino da França, o Rei dos Céus vos ordena e intima por mim, Jeanne la Pucelle: retirai-vos de vossas fortalezas e retornai a vosso país, pois senão vos farei tal mortandade que dela se guardará perpétua memória. Eis o que vos escrevo pela terceira e última vez, e não mais escreverei”.
Assinado: Jesus, Maria e Jeanne la Pucelle

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço o seu comentário.
Em breve ele deverá ser exibido no Blog.
Namastê!